Arquivo da categoria: Custos

Férias na Cidade Maravilhosa e Cabo Frio

Olá Pessoal,

Como sempre, meu tempo tem sido curto para o blog. Na verdade ele tem sido curto para quase tudo.

Hoje quero relatar nossas (minhas e da minha Namorada) férias no estado Fluminense. Passei 10 dias lá, sendo 3 na capital e outros 7 em Cabo Frio.

Compramos nossas passagens de novo pela Webjet. Fizemos uma confusão com os aeroportos, já que nos últimos dias estaríamos em Cabo Frio e poderíamos optar por qualquer um dos dois aeroportos da região, mas acabamos indo e voltando pelo Galeão, que apresentou taxas melhores. Uma dica pra quem vai para a região dos Lagos (Cabo Frio, Arraial do Cabo, Búzios e etc) na alta temporada e não quer passar pela capital é a Azul que faz voos durante do verão direto para Cabo Frio!

Com as passagens compradas, começamos a olhar os albergues/hosteis e hotéis da zona sul da capital. Queríamos passar lá entre 2 e 5 dias. Minha prima, que mora em Cabo Frio, nos sugeriu os seguintes albergues: Terrasse Hostel, Stone of the beach, Bonita em Copa/Ipanema e Books Hostel e o Aplauso Hostel na Lapa.

Acabamos optando pelo Bonita, depois de alguma pesquisa na Internet. Não nos arrependemos, o quarto era simples, o pessoal era legal e a localização era perfeita. O Albergue é em Ipanema, 3 ou 4 quadras do mar. Muito boa a localização, com restaurantes bem perto.

Bar em frente a piscina do Bonita Hostel

Chegamos no Rio dia  as 10h da manhã. Pegamos uma Táxi no aeroporto e fomos direto ao albergue em Ipanema. Nosso táxi deu em torno de 60 reais. Chegando lá, deixamos nossas malas no albergue e fomos dar uma volta atrás de um almoço (estávamos famintos!). Depois do almoço, voltamos ao albergue e fizemos nosso Check-In.

Resolvemos que deveríamos fazer os passeios mais concorridos nos primeiros dias, pois seria quinta-feira e sexta-feira. Pensamos que no sábado atrações como o Cristo Redentor e Pão de Açúcar estariam mais que lotadas. Então, saímos no nosso primeiro passeio rumo a segunda opção, deixando o Cristo para sexta de manhã.

Fomos e voltamos de ônibus. O passeio foi ótimo, a vista é linda. Os bondinhos são muito legais. Uma pena que nossa câmera ficou sem bateria bem no meio do passeio… Não deixem de ir lá, a “passagem” do bondinho é em torno de R$ 50 reais.

Os ônibus no RJ são ótimos (comparados com os daqui!). Rápidos (Até demais), inteiros e com ar condicionado. Aqui pago R$ 2,50 para um serviço péssimo, enquanto lá no Rio pagávamos R$ 2,75/2,85 por um serviço bem melhor.

Voltando ao albergue e fomos pela primeira vez a beira-mar tomar um banho, coisa que depois seria um hábito. Todos os dias voltamos pelas 17h para pegar uma praia e um lindo pôr do sol em Ipanema.

No segundo dia, pegamos um café no albergue e seguimos para o Cristo Redentor. Pegamos um ônibus de novo, tudo certo. O Motora até avisa com um “grito” amigável aonde tem que descer para ir ao Cristo.

Chegamos lá e descobrimos que o trem que leva ao cristo já estava com as vendas esgotadas até as 14h (eram 10 da matina!). Ainda, descobrimos que não tem como subir a pé (Não sei porque eu pensava que tinha como). Tivemos que pagar (R$ 25) para umas “vans” (a “nossa” era um carro Zafira) que ficam na soleira do morro e levam até a entrada do “parque”. Um serviço muito ruim, que com certeza deixa os turistas assustados. Na volta tivemos que encarar uma baita fila! Conosco foram dois turistas, um Israelense e outro Australiano. Tivemos que traduzir e explicar a eles o que estava acontecendo, porque eles tinham que pagar aquele dinheiro e que ainda teríamos que pegar outra van e pagar a entrada no parque.

Chegamos na “entrada” do parque: Uma “rua” completamente desastrosa, que não condiz com a grandesa do passeio. Fomos a bilheteria pagar novamente, agora R$ 27 reais e depois nos encaminhamos a fila, que era grande, mas andava rápido. Nosso amigo Australiano perdeu o ingresso do parque e teve que voltar a bilheteria e depois entrar de novo na fila.

Nosso amigo “avishai”, direto de Israel

Depois de mais uma van e alguns dois ou três lances de escada, chegamos ao Cristo. Já quase lotado, mas ainda sim lindo. Valeu a pena o esforço.

Nos dias seguintes, fizemos passeios mais “lights”: fomos ao Forte de Copacabana (muito legal), ao Shopping do Leblon (Bonito), visitamos o centro do Rio, algumas praças e pegamos muita praia.

Uma dica, jantamos no restaurante da Devassa lá em Ipanema. Ótima comida e ambiente. Foi o lugar mais caro que fomos no Rio, R$ 130 para dois. Nos outros dias, comemos subway e coisas do gênero.

No Domingo, pegamos um taxi para a rodoviária (cerca de R$ 40) para irmos a Cabo Frio, aonde minha prima vive.

O ônibus até Cabo Frio custa em torno de R$ 40 reais (viação 1001) e é bem tranquilo. Saímos as 18h e chegamos perto das 21h (Na volta, o mesmo trajeto deu 2 horas!).

Nós já conhecíamos a região (Búzios, Arraial do Cabo e Cabo Frio), mas foi muito bom ficar por lá.

Uma dica é a pousada Acuario, ficamos lá em 2010. Ótima e muito bem localizada. Arraial do cabo é lindo, vale muito a pena conhecer!

Pegamos praia quase todos os dias. Fizemos o passeio de Barco em Arraial (Recomendadíssimo), fomos ao centro comercial de Búzios e também ao centro de Cabo Frio… Tudo muito legal! Deixo algumas fotos pra incentivar a visita.

Espero que tenham gostado.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Brasil, Cidades, Custos, Relato, Transporte

Eurail

Este tópico foi feito com base no meu entendimento e com informações deste tópico do Mochileiros.com. (Acho imprescindível a leitura dele se necessitares de mais informações.)

Semana passada eu recebi, incrivelmente no mesmo dia, minha “Carteirinha de Alberguista Internacional” e meu Eurail. Por hoje eu vou escrever sobre o EuRail, amanhã falo dos albergues.

O EuRail veio cheio de coisas (me cobraram 7 Euros pela encomenda, demorou uns 9 dias). Além do passe veio junto o mapa ferroviário, um manual e uma tabela de horários dos principais trens Europeus.

O que é o Eurail

Um passe de trem que é só para estrangeiros e só pode ser comprado no país de origem, sendo impossível comprá-lo na Europa. Ele funciona por um certo período de tempo em um certo local (Para ver o passe que fecha melhor com o seu destino, acesse: http://www.eurail.com).

Por exemplo, o meu passe:

Período: 8 dias dentre dois meses.
Local: Alemanha e Dinamarca.

Oito dias dentro de dois meses? Como assim?
Calma, é o seguinte: Na primeira viagem de trem o passe deve ser validado. Ou o agente de viagens ou o cara do guichê de bilhetes deve preencher a primeira e última data do passe. Exemplo: se eu andar de trem pela primeira vez dia 14/04, o cara do guichê vai preencher as duas datas, First Day: 14/04 e Last Day: 09/06.

Não é necessário preencher todo o calendário de viagem de uma vez só, Basta registrar cada dia de viagem apenas quando usar o passe. Também, Não pode errar a data e querer arrumar, vai ser considerado fraude. Tem que ser certinho ou perde um dia de viagem.

Não existe regra nenhuma?
É, não é só pular no trem e sair andando. Dependendo do trem é necessário fazer reserva.

Existem 3 tipos de trem:
• Trens sem reservas: trens locais e regionais geralmente não exigem reservas;
• Trens com reservas opcionais: você pode fazer uma reserva se deseja garantir um assento, mas não é necessário;
• Trens com reserva obrigatória: Reservas são exigidas para muitos trens de alta velocidade como o Thalys e para os trens noturnos;

Quando você compra um passe de trem, você fica dispensando de comprar a passagem (ticket), porem em certos trens europeus, como os de alta velocidade, internacionais ou noturnos, é obrigatório fazer reserva. Para saber os trens em que é necessário fazer as reservas consulte a tabela de horários da Eurail. Eles sempre vêm indicados com um símbolo “R” na frente do horário do trem.

O número de assentos disponíveis para usuários dos passes de trem pode ser limitado, por isso a reserva deve ser feita com antecedência, principalmente na alta estação, feriados e horários de rush. As reservas podem ser feitas até 90 dias antes da viagem. É aconselhado fazer as reservas ainda no Brasil, porem também é possível fazer as reservas nas estações de trem. Caso queira fazer as reservas na Europa, faça no dia que chegar à cidade para evitar que não consiga a reserva para o dia e horário desejado.

A Economia:

O meu passe é “Youth”, que é destinado a jovens até 26 anos. Só é possível andar de 2ª classe com ele. Paguei exatos 227 Euros por 8 dias de viagens, que da uma média de 28 Euros por viagem. Para se ter uma idéia, uma viagem de Frankfurt até Hannover da entre 40 e 80 Euros e eu vou fazer no mínimo 6 viagens parecidas com essa.

Abraços

4 Comentários

Arquivado em Alemanha, Custos, Dicas, Pré-viagem, Transporte

Como levar dinheiro na viagem

Atualmente, essa questão é quase toda minha preocupação na viagem. Já tenho alguns euros comprados, mas eu não vou viver só com eles.

É “obrigatório” ter dinheiro consigo na entrada do país. E pelas informações que tenho, quando a alfândega te para no aeroporto, é bom você não ter demais nem de menos. Ter demais significa que você pode ficar mais tempo do que você tem na sua passagem, e ter de menos, significa que você não tem nada para gastar lá, não tem como viver lá durante o tempo de sua passagem. E esses dois casos não são bons.

O “certo”, ou pelo menos o que me recomendaram, é ter algum dinheiro em espécie e o resto em cartões Internacionais. Por isso andei pesquisando alguns desses e queria postar sobre eles hoje:

Dinheiro em Espécie

Doleira

Doleira

O ideal é não levar todo dinheiro assim, para ser assaltado e não fazer mais nada.

Quem pensa que isso é exclusividade da hospitalidade Brasileira, está muito enganado. Eu mesmo tenho amigos que passaram por isso em Londres.

Eu decidi levar comigo € 900 Euros, dos quase €1800 que vou usar na viagem (Algumas coisas já paguei aqui, como as reservas dos Hostels)

O bom é dividir o dinheiro pelo “Corpo”. Usar uma “doleira”, levar um pouco na carteira e na mochila.

O problema: Perder, ser assaltado, ficar sempre atento com tanto dinheiro e etc.

Visa Travel Money

Visa Travel Money

Visa Travel Money

É uma boa pra quem conseguiu pegar uma bela baixa da moeda ou pra quem vai fazer intercâmbio dependendo dos pais. Funciona assim:

Em uma agência de turismo, peça seu cartão. Fica pronto na hora. Ele não tem nome, só um código e vem com uma senha. Na agência mesmo você carrega com a moeda que quer; Dólar, Euro ou Libra. O mínimo é U$D 100 Dólares.

Ele é pré pago. Depois de carregado você vai gastando. Ele é aceito em todos os estabelecimentos com bandeira Visa. Só ir usando com a senha que vem junto a ele.

O problema: A recarga tem que ser feita em alguma agência daqui (pelo menos foi isso que o Sr. da agência que consultei me explicou) e o câmbio é mais caro que o Turismo. Na minha simulação ficou 4 centavos mais caro

Cartão Internacional

Tirando as taxas que um cartão internacional deve ter, é como usar ele aqui.

Algumas precauções são boas de tomar: Ir até o seu banco e conversar sobre o limite do cartão e liberar ele para compras internacionais. Já ouvi relatos de cartões bloqueados depois da primeira compra no exterior. Na última semana, meu chefe me contou que teve o cartão bloqueado por uma compra na Amazon.com. Então, para evitar transtornos, uma passada no banco é obrigatória.

O problema: A taxa de câmbio oscila, é óbvio, e pode dar alguma surpresa.

Algumas boas dicas sobre dinheiro em viagens:

http://portalexame.abril.com.br/financas/vai-viajar-veja-quatro-formas-comprar-dolar-520347.html?page=full

5 Comentários

Arquivado em Custos, Dicas, Pré-viagem

Tabela de custos

Bom dia pessoal,

Vamos aos preparativos e estatísticas para a viagem. Essa parte foi bem complexa comigo. Depois de pesquisar muito, ler muito e conseguir bastante informação, comecei a minha tabela de gastos. Vi que para fazer um mochilão Europeu, o mínimo que eu ia necessitar seria 60 Euros por dia, apesar de ainda achar pouco, é o que eu estou esperando gastar.

A primeira tabela ficou assim

Passagem R$ 1600
Mochila R$ 600
Passaporte R$ 154
Euros R$ 4200

Beleza, 6500 paga tudo.

E dele calcular pra conseguir juntar toda a grana até Abril. Parei de ir aos jogos do meu inter, saídas e festas bem menos e etc. Beleza, mas o pior ainda estava por vir:

Primeira surpresa, Taxas de embarque: R$ 350

Bom até aí tudo bem, consegui uma mochila boa e barata, R$449, deu pra equilibrar.

Segunda surpresa, Euros de turismo: R$ 2,70

Aí foi forte a pegada. Estava esperando conseguir pegar no Banco do Brasil a taxa de R$ 2,55, mas como eu não era correntista, nada feito. Só cheques de viagem. Total de compra de Euros, R$ 4600, R$400 a mais que o esperado.

Terceira surpresa, Seguro viagem: U$D 200

Já conhecia esse cara bem. Já havia lido e relido como fazer umas cem vezes. Mas, a cabeça é foda, e eu tinha esquecido completamente desse detalhe. E o pior, é em dólar. Detalhe esse de R$ 340.

Claro que eu na vou comprar todos os euros e ir com tudo em notas pra lá. Vou usar meu cartão internacional. Mas para efeito de cálculo, estou esperando essa taxa.

Resumindo,

O que era assim:

Passagem R$ 1600
Mochila R$ 600
Passaporte R$ 154
Euros R$ 4200

TOTAL: 6500

Ficou assim:

Passagem

TAM – IDA: POA – Guarulhos – Frankfurt / VOLTA:
Berlin-Frankfurt-Guarulhos-POA

R$ 2172,98

Mochila

Kailash Peak 58+23.

R$ 600

Seguro

Seguro Viagem, da pra fazer em qualquer momento U$D
200

R$ 340

Passaporte

156 Passaporte + Onibus até POA

R$ 154

Euros

$ 63 Euros por dia. R$2,70 o Euros

R$ 4760

TOTAL: R$ 8000

Sendo que ainda é Dezembro e eu aposto que até Abril mais alguma surpresa virá, vamos ver.

Fica o aprendizado:

Crianças, quando quiserem usar o aeroporto, se preparem bem.

Grande abraço

Deixe um comentário

Arquivado em Alemanha, Custos, Pré-viagem